Deficiência de Zinco: Sintomas, causas, tratamento e prevenção

mão segurando cápsula de zinco

Os sinais da deficiência de zinco podem ser pouco perceptíveis no começo, mas com o tempo começam a comprometer o paladar, causar perda de apetite, queda de cabelo, dificuldade de cicatrização de ferimentos, suscetibilidade a doenças infecciosas, entre outros.

As causas da deficiência de zinco incluem má alimentação, estresse, excesso de exercícios físicos, tratamentos médicos e doenças. Na maioria dos casos, a suplementação de zinco eleva os níveis dessa substância e elimina os sintomas.

Hoje em dia, existe um novo tipo de suplemento, chamado de suplemento lipossomal, que aumenta e muito a eficácia da ingestão de zinco pelo organismo. Neste artigo, vamos falar sobre a deficiência de zinco e como esse suplemento lipossomal pode ser a solução para esse problema.

Pontos-chave

  • Entre os problemas acarretados pela deficiência de zinco, o que mais preocupa é o enfraquecimento do sistema imunológico que aumenta a suscetibilidade à doenças infecciosas.
  • Como o corpo não produz e nem armazena este mineral, recomendamos o consumo de um suplemento de zinco em dosagem adequada, para que não haja deficiência dessa substância no organismo.
  • O suplemento lipossomal de zinco Sundt é uma novidade no mercado com absorção e eficácia comprovadas.

Deficiência de Zinco: O que você precisa saber

Está com dificuldade de controlar a vontade de comer doces? O paladar está diferente? A queda de cabelo aumentou? Então você pode estar com deficiência de zinco.

Esse mineral está envolvido em diversos processos do organismo e a deficiência pode comprometer funções orgânicas, cognitivas e afetivas. Para tratar a deficiência de zinco você deve manter uma dieta equilibrada e incluir uma suplementação.

Imagem de alimentos.
Para combater a deficiência de zinco, você deve manter uma alimentação balanceada. (Fonte: Tatjana Baibakova/ 123RF.com)

Quais são as funções do zinco?

A principal função do zinco é fortalecer o sistema imunológico e defender o organismo de doenças infecciosas. O zinco também possui ação antioxidante, responsável por diminuir o percentual de radicais livres no organismo.

Cerca de 300 enzimas necessitam deste mineral para catalisar as respectivas reações químicas e atuar em diferentes processos do organismo.

O zinco também está envolvido na síntese proteica, metabolismo dos hidratos de carbono e lipídios, processos que medeiam o metabolismo de algumas vitaminas como retinol, piridoxina e folato.

Estudos indicam que o zinco também participa da síntese de DNA, divisão celular e apoptose, liberação de hormônios, transmissão de impulsos nervosos, entre outros processos.

O que causa deficiência de zinco no organismo?

Geralmente, a deficiência de zinco é decorrente da alimentação inadequada. No entanto, existem outras causas para a carência deste mineral como estresse, excesso de exercícios físicos, tratamentos médicos à base de antibióticos, entre outros.

A deficiência de zinco também pode ocorrer durante a gravidez ou amamentação, seja na mãe ou no bebê – principalmente em bebês prematuros ou com baixo peso.

A redução deste mineral também pode ser observada em pessoas portadoras de doenças crônicas como diabetes, HIV ou AIDS e artrite reumatoide, e pessoas com distúrbios alimentares como bulimia e anorexia.

Quais os sintomas da deficiência de zinco?

Como o zinco atua em inúmeros processos do organismo, a falta desse mineral acarreta diversas consequências negativas para o corpo:

  • Fragilização do sistema imunológico;
  • Dificuldade de cicatrização;
  • Perda de apetite e diminuição do paladar;
  • Problemas cutâneos, especialmente eczema e psoríase;
  • Aumento nos níveis de glicose;
  • Pele seca e amarelada;
  • Mau funcionamento do fígado;
  • Queda de cabelo;
  • Enfraquecimento das unhas;
  • Surgimento de acne;
  • Baixa absorção de nutrientes;
  • Distúrbios de crescimento;
  • Diminuição da libido;
  • Depressão;
  • Função neurológica fraca;
  • Diarreia recorrente;
  • Alergias diversas.

Para não sofrer com a falta de zinco e seus sintomas, recomendamos a ingestão de alimentos com esse mineral e, também, o suplemento lipossomal de zinco da Sundt.

Quais grupos sofrem com a deficiência de zinco?

A deficiência de zinco é muito prejudicial para as crianças, pois a ingestão deste mineral é fundamental para que os meninos e meninas cresçam de forma saudável. O zinco também ajuda na prevenção da pneumonia e diarreia – principais causas de mortalidade infantil.

Esse mineral também precisa estar em níveis adequados no organismo de uma gestante, pois o zinco pode prevenir diversas complicações durante o parto e ajudar o bebê a ganhar peso após o nascimento.

No entanto, o leite materno não oferece uma quantidade abundante de zinco, portanto, pode ser difícil para o bebê suprir a necessidade deste mineral, principalmente durante a transição entre o leite materno e o alimento sólido.

Imagem de uma gestante.
Durante a gestação e lactação, a mulher deve aumentar o consumo de zinco. (Fonte: Neal E. Johnson/ Unsplash.com)

Idosos também podem sofrer da deficiência de zinco no organismo. Isso ocorre, pois mesmo que uma pessoa de idade avançada mantenha uma dieta equilibrada, a absorção de nutrientes é menor.

Pessoas em dietas restritivas também podem apresentar deficiência de zinco, principalmente os veganos e vegetarianos, pois as melhores fontes de zinco são as carnes vermelhas e brancas.

Além disso, as pessoas com os seguintes problemas de saúde são mais suscetíveis a desenvolver deficiência de zinco:

  • Alcoólatras;
  • Diabéticos;
  • Quem possui doença renal crônica ou insuficiência renal aguda;
  • Portadores de HIV/AIDS;
  • Pessoas com síndrome de absorção de nutrientes, desnutridas ou que sofrem de transtornos alimentares.
  • Pessoas que sofrem de diarreia grave ou persistente;
  • Pacientes que recebem alimentação intravenosa;
  • Pacientes que sofrem de doença inflamatória no intestino;

Qual a relação entre a deficiência de zinco e a queda de cabelo?

A deficiência de zinco pode causar a queda de cabelo, pois esse mineral é responsável por controlar os níveis do hormônio DHT, um composto derivado da testosterona, que quando está em desequilíbrio, pode causar calvície em homens e mulheres.

Isso ocorrer por que o DHT pode comprometer os folículos do couro cabeludo, fazendo-os encolher e resultando na perda maciça de cabelo. Quando há queda nos níveis de estrogênio ou testosterona, a queda de cabelos também pode acontecer.

Imagem de uma moça com o rosto assustado.
A queda de cabelo pode estar relacionada à deficiência de zinco. (Fonte: Moose Photos/ Pexels.com)

Qual a relação entre a deficiência de zinco e a fertilidade?

O zinco desempenha um papel importante na reprodução humana, pois é necessário para a ovulação feminina e para a produção e maturação do esperma. Além disso, a deficiência de zinco pode causar diminuição de desejo sexual em mulheres e a impotência nos homens.

Existe algum exame para atestar a deficiência de zinco?

Conforme mencionamos anteriormente, diversos sintomas sugerem a deficiência de zinco no organismo. No entanto, para atestar a carência desse mineral é necessário realizar um exame de sangue ou urina.

Os níveis sérico ou plasmático são utilizados na avaliação da deficiência de zinco, no entanto, formas mais leves de carência deste mineral podem não ser detectadas nesses exames. Ainda assim é possível considerar a suplementação.

 Imagem de duas ampolas com sangue.
Para atestar a deficiência de zinco, você pode realizar exames de sangue ou urina. (Fonte: Karolina Grabowska/ Pexels.com)

Quem está com deficiência de zinco deve ingerir qual dosagem deste mineral?

A dose diária recomendada de zinco varia de acordo com a idade e sexo da pessoa. Para que você saiba qual a dosagem adequada para você, sugerimos que você analise a tabela abaixo:

IdadeHomensMulheres
1 a 3 anos3mg3mg
4 a 8 anos5mg5mg
9 a 13 anos8mg7mg
14 a 50 anos8mg7mg
Acima de 50 anos11mg8mg

Conforme mencionamos anteriormente, mulheres grávidas ou que estão em fase de amamentação também devem suplementar zinco, pois a necessidade é bastante elevada, como consta na tabela abaixo:

 GestantesLactantes
Até 18 anos de idade12mg13mg
Acima de 18 anos de idade11mg12mg

Quais são os benefícios de consumir zinco diariamente?

A ingestão adequada de zinco contribui para uma série de benefícios para o organismo. Alguns dos mais importantes estão listados abaixo:

  • Regulação dos níveis de insulina e prevenção contra a diabetes tipo 2;
  • Funcionamento correto da tireoide;
  • Ganho de massa muscular;
  • Aumento da libido;
  • Aumento de concentração e memória;
  • Diminuição da queda de cabelo, aumento do brilho e maciez;
  • Auxilio no tratamento da depressão;
  • Fortalecimento do sistema imunológico e proteção contra inúmeras doenças.

O excesso de zinco faz mal?

Mesmo que o zinco seja essencial no organismo, consumi-lo em excesso pode fazer mal à saúde. Isso acontece porque quando os níveis de zinco estão elevados, os níveis de cobre diminuem, causando deficiência deste outro mineral.Portanto, nunca consuma mais do que 50mg de zinco ao dia.

Os principais sintomas do excesso de zinco são sonolência, letargia, vômito e diarreia frequentes. Portanto, antes de suplementar zinco, você deve procurar um médico para que o especialista avalie a necessidade e estabeleça uma dose diária adequada.

Tratamento para deficiência de zinco: Qual suplemento devo tomar?

Para tratar a deficiência de zinco no organismo, você deve manter uma dieta rica em alimentos de origem animal como carne vermelha, frango e peixe, grãos integrais como castanhas e cereais, legumes e tubérculos. Também recomendamos que você inclua uma suplementação.

Qual suplemento devo tomar para tratar a deficiência de zinco?

Depois de realizar exames e constatar a deficiência de zinco no organismo, será preciso reforçar o consumo de alimentos ricos nesse mineral e incluir a suplementação de zinco.

Neste caso, é muito importante buscar orientação de um nutricionista, para que o profissional solicite a realização de exames de sangue, analise o percentual da substância e estabeleça a dose diária recomendada.

Por que o suplemento lipossomal é mais eficiente do que o comum?

Você encontra o suplemento de zinco quelato ou zinco lipossomal. O zinco quelato é combinado com moléculas de outros minerais ou aminoácidos para aumentar a concentração e biodisponibilidade dessa substância.

Entretanto, o suplemento de zinco lipossomal é muito mais eficaz, pois é produzido com uma nova tecnologia, em que as moléculas de zinco são encapsuladas em lipossomas, pequenas partículas esféricas com camada externa constituída de gorduras semelhantes à membrana celular.

O zinco permanece no interior dessa esfera oleosa e é absorvido de maneira rápida e eficiente, diretamente pelas células do intestino, proporcionando melhores resultados.

Imagem de uma cápsula de zinco.
Você encontra o suplemento de zinco em cápsulas lipossomais. (Fonte: Maksym Yemelyanov/ 123RF.com)

Como essa tecnologia é recente, poucas marcas oferecem suplementos lipossomais. Nós recomendamos que você compre o zinco lipossomal da Sundt Nutrition, marca alemã referência no segmento.

Conclusão

Para preservar a saúde na infância, fase adulta ou terceira idade, você precisa consumir uma dosagem adequada de zinco. Esse mineral deve ser consumido através de alimentos ricos em zinco como carnes, cereais, legumes e tubérculos.

Caso você mantenha uma dieta restritiva ou não esteja consumindo a porção diária recomendada deste mineral, você pode apresentar deficiência de zinco. Para tratar a carência desse importante mineral, será necessário introduzir um suplemento de zinco lipossomal.

(Fonte da imagem destaque: Stepan Popov / 123RF)

References (3)

1. PERES, Patrícia Mendes, KOURY, Josely Correa. Zinco, Imunidade, Nutrição e Exercício. 2006
Source

2. MAFRA, Denise; COZZOLINO, Sílvia Maria Franciscato. Importância do zinco na nutrição humana. Rev. Nutr., Campinas , v. 17, n. 1, p. 79-87, Mar. 2004 .
Source

3. SENA, Karine Cavalcanti Maurício de; PEDROSA, Lucia de Fátima Campos. Efeitos da suplementação com zinco sobre o crescimento, sistema imunológico e diabetes. Rev. Nutr., Campinas , v. 18, n. 2, p. 251-259, Apr. 2005 .
Source

Artigo científico
PERES, Patrícia Mendes, KOURY, Josely Correa. Zinco, Imunidade, Nutrição e Exercício. 2006
Go to source
Artigo científico
MAFRA, Denise; COZZOLINO, Sílvia Maria Franciscato. Importância do zinco na nutrição humana. Rev. Nutr., Campinas , v. 17, n. 1, p. 79-87, Mar. 2004 .
Go to source
Artigo científico
SENA, Karine Cavalcanti Maurício de; PEDROSA, Lucia de Fátima Campos. Efeitos da suplementação com zinco sobre o crescimento, sistema imunológico e diabetes. Rev. Nutr., Campinas , v. 18, n. 2, p. 251-259, Apr. 2005 .
Go to source