Alimentos ricos em vitamina D: Quais são eles?

Alimentos ricos em vitamina D

A vitamina D tem um papel fundamental para o metabolismo do cálcio e do fósforo no organismo. Portanto, é um nutriente chave para o desenvolvimento de ossos e dentes. Consumir alimentos ricos em vitamina D — além da exposição solar — é uma forma eficaz de conseguir os níveis adequados da vitamina.

Estes alimentos, porém, são em sua maioria de origem animal, como os peixes e o fígado de bacalhau. Algumas bebidas e leites são enriquecidos com o nutriente e existem, ainda, os suplementos nutricionais. Ao longo deste artigo, você vai descobrir como ingerir a quantidade ideal de vitamina D.

Pontos-chave

  • A vitamina D — ou calciferol — se encontra predominantemente nos alimentos de origem animal, como os peixes, o fígado e o óleo de fígado de bacalhau. Em geral, o leite de vaca, a margarina e os leites vegetais são enriquecidos com a vitamina.
  • A vitamina D se forma na pele em um processo desencadeado pela exposição aos raios solares. Por esta razão, ela é popularmente conhecida como “a vitamina do sol”.
  • Os idosos, as pessoas que evitam se expor à luz solar e quem vive em regiões com menos incidência de sol, são mais propensos a sofrer algum nível de carência de vitamina D. Nestes casos, o suplemento lipossomal de vitamina D lipossomal pode tratar tal deficiência com grande eficácia.

Quias são os alimentos mais ricos em Vitamina D?

A vitamina D não é encontrada em grande quantidade nos alimentos. Ainda que esteja presente nos pescados e frutos do mar, a luz solar segue sendo a principal forma de suprir as necessidades deste nutriente.

A seguir, mostramos quais os melhores alimentos que se deve consumir para obter a maior quantidade de vitamina D (1, 2).

Alimentos com vitamina DQuantidade*
Fígado de bacalhau100 mcg (Fígado de bacalhau)

90 a 200 mcg (Óleo de fígado de bacalhau)
Arenque6,5 a 15 mcg
Salmão13 a 24 mcg (Salmão de águas profundas)

6 a 9 mcg (Salmão de cativeiro)
Sardinha enlatada4,6 a 7 mcg
Gema de ovo1 a 1,4 mcg
Fígado1,3 mcg (Fígado de frango)

1,4 a 14 mcg (Fígado bovino)
Leite de vaca enriquecido com vitamina D1,1 a 2 mcg
Bebida vegetal enriquecida com vitamina D0,5 a 0,75 mcg
Levedura nutricional enriquecida com vitamina DAté 100 mcg
Tofu enriquecido com vitamina D2,4 mcg
Quantidade de vitamina D em 100 g de alimento (expressa em microgramas — mcg)

Fígado de bacalhau

O fígado de bacalhau é uma excelente forma de aumentar a ingestão de vitamina D, pois pode fornecer até 100 mcg do nutriente por 100 g. O fígado de bacalhau defumado, normalmente comercializado em lata e pronto para comer, tem um sabor agradável e é conservado no próprio óleo. Pode ser adicionado a saladas e sanduíches (3).

Uma forma de consumir o fígado de bacalhau enlatado é amassado com um pouco do próprio óleo até a consistência de patê. A mistura pode ser passada no pão, torradas ou biscoitos. Como o óleo de fígado de bacalhau é altamente concentrado em vitamina D, vale a pena guardar o que sobrou da lata e misture com alho, suco de limão ou especiarias. O resultado será um molho saboroso e muito saudável (1, 2).

 Alimentos-ricos-em-vitamina-D
Os leites vegetais obtidos da soja, amêndoas e do arroz geralmente são enriquecidos com vitamina D. (Fonte: Klenova: 118072626/ 123rf.com)

Arenque

O arenque — peixe que pode ser consumido fresco ou enlatado —, se destaca entre os alimentos ricos em vitamina D. Isso porque uma porção de 100 g de arenque fornece entre 6,5 e 15 mcg de vitamina D. Este peixinho também é rico em ômega 3 e se adapta a inúmeras receitas, como marinadas, assados e sopas (1, 2).

Salmão

O salmão, seja ele cru, defumado ou cozido, é outra rica fonte de vitamina D. Enquanto o salmão de águas profundas fornece entre 13 e 24 mcg de vitamina D por 100 g, um filé com o mesmo peso do salmão de cativeiro fornece entre 6 e 9 mcg de colecalciferol (vitamina D3) (2, 4).

Sardinha enlatada

As tradicionais sardinhas enlatadas podem conter entre 4,6 e 7 mcg de vitamina D por 100 g. Tanto as sardinhas em óleo como as que se encontram em salmoura ou molho de tomate, são uma forma simples, barata e saborosa de aumentar a ingestão de vitamina D, ômega 3 e cálcio na sua dieta (1, 2).

Gema de ovo

A gema de ovo contém pequenas quantidades de vitamina D e pode fornecer entre 1 e 1,4 mcg por 100 g. Como cada gema pesa cerca de 25 gramas, a unidade fornece cerca de 0,25 mcg do nutriente. Quando o ovo é cozido, o teor da vitamina é reduzido de 1% a 6% (1, 2, 3).

Alimentos ricos em vitamina D
Os alimentos ricos em vitamina D são poucos. Os peixes, o fígado e o óleo de fígado de bacalhau são as melhores fontes naturais de colecalciferol. (Fonte: Jametlene: vvirdgqi8xs/ Unsplash.com)

Fígado de frango ou fígado bovino

Em média, cada 100 g de fígado de frango contém 1,3 mcg de vitamina D. Já no fígado de boi, a quantidade é de cerca de 1,4 mcg do nutriente. Alguns autores, porém, afirmam que o fígado de bezerro pode fornecer até 14 mcg de vitamina D. De acordo com os estudos, esse valor depende da dieta e da exposição ao sol que o animal teve durante seu crescimento (1, 3).

Leite de vaca enriquecido com vitamina D

O leite de vaca é, in natura, um alimento pobre em vitamina D. No entanto, como é um alimento acessível e amplamente consumido por pessoas de todas as idades, os produtores de leite de vaca quase sempre enriquecem a formulação do produto com vitamina D. Assim, um copo de 200 ml da bebida láctea pode fornecer entre 2,2 e 4 mcg de colecalciferol (vitamina D3) (1, 2, 5).

Bebida vegetal enriquecida com vitamina D

Os leites vegetais — extraídos de soja, amêndoas e arroz — geralmente contêm vitamina D adicionada, já que a maioria das pessoas usa essas bebidas como substituto do leite de vaca. Para se ter uma ideia, o leite de soja fornece 1 mcg de vitamina D em um copo de 200 ml, enquanto o leite de amêndoa fornece cerca de 1,5 mcg na mesma porção (1).

Levedura nutricional enriquecida com vitamina D

Assim como a levedura nutricional costuma ser enriquecida com vitamina B12 e folato, alguns fabricantes também adicionam vitamina D. Com isso, uma porção de 10 g de levedura nutricional pode fornecer até 10 mcg de vitamina D. Por esse motivo, nossa recomendação para quem segue uma dieta vegana é que não perca de vista este superalimento.

Alimentos ricos em vitamina D
O tofu, um tipo de queijo elaborado a partir da soja, também pode ser enriquecido com vitamina D. Uma porção de 100 gramas de tofu enriquecido garante cerca de 2,4 mcg de vitamina D. (Fonte: Kwan: zpevewjy0/ Unsplash.com)

Tofu enriquecido com vitamina D

O tofu — alimento feito a partir da soja — também pode ser enriquecido com vitamina D. Uma porção de 100 g fornece cerca de 2,4 mcg deste nutriente. Como não é obrigatório enriquecer o tofu com vitamina D, é importante ler o rótulo do produto para ter certeza de que ele contém o nutriente e, se for enriquecido, em que quantidade a vitamina é oferecida (1).

Tudo o que você precisa saber sobre os alimentos e a vitamina D

A vitamina D sintetizada pelo organismo (que se forma na pele com a ação do sol) nem sempre é suficiente. Por esta razão, é importante incluir fontes de vitamina D na dieta diária. Alimentos vegetais enriquecidos com vitamina D são uma ótima opção para os veganos. Porém, em situações em que haja risco de deficiência, o mais viável é recorrer aos suplementos.

Alimentos ricos em vitamina D
A gema de ovo contém pequenas quantidades de vitamina D, podendo prover entre 1 e 1,4 mcg cada 100 g — cerca de 4 gemas —. (Fonte: Lark: jupoxxrndca/ Unsplash.com)

Por que é necessário consumir alimentos ricos em vitamina D?

A ingestão de alimentos ricos em vitamina D ajuda a suprir as necessidades diárias desse nutriente. Ela é indispensável, já que desempenha funções importantes em nosso organismo. Além de aumentar a assimilação do cálcio e intervir no desenvolvimento dos ossos e dentes, a vitamina D também participa da resposta imunológica, da saúde muscular e do controle de inflamações (1, 6).

Crianças, adolescentes e adultos (de até 50 anos) precisam de aproximadamente 5 mcg de vitamina D por dia. As pessoas entre 51 e 70 anos necessitam de 10 mcg por dia. Já os que têm mais de 70 anos devem ingerir 15 mcg da vitamina todos os dias. A deficiência de calciferol, seja devido a uma dieta pobre neste micronutriente ou pela falta de exposição solar suficiente, pode levar aos seguintes problemas (1, 2):

  • Problemas ósseos: a deficiência de vitamina D pode predispor à osteoporose, especialmente em mulheres na pós-menopausa. Isso ocorre pois nessa fase a produção de estrogênio diminuiu. A deficiência grave de calciferol está associada ao raquitismo em crianças, doença caracterizada pela mineralização inadequada dos ossos, que não resistem às cargas normais (1, 2);
  • Alto risco de incidência de doenças autoimunes: A deficiência de vitamina D foi associada a um risco aumentado de desenvolvimento de doenças autoimunes, principalmente a esclerose múltipla, a psoríase e a diabetes tipo I (2, 7);
  • Aumento do risco de hipertensão arterial: embora a relação entre os níveis de vitamina D no corpo e a hipertensão arterial ainda não tenha sido esclarecida, há estudos que sugerem que a falta dessa vitamina pode levar a um aumento nos níveis da pressão arterial (2).

Existem alimentos ricos em vitamina D para veganos?

Como dissemos, a vitamina D é encontrada predominantemente em produtos de origem animal. Ainda assim, existem alimentos adequados para veganos.

Em geral, trata-se de produtos vegetais que são enriquecidos com o nutriente. Sucos de laranja, leites vegetais e margarinas são alguns exemplos desta prática. A vitamina D também pode ser adicionada ao tofu e à levedura nutricional (2, 8).

Enquanto os alimentos de origem animal contêm calciferol na forma de vitamina D3 (colecalciferol), a maioria dos produtos enriquecidos — e alguns cogumelos e fungos — contêm vitamina D2 (ergocalciferol).

Esse composto também tem atividade biológica e pode ajudar a manter os níveis adequados da vitamina D. O cogumelo shitake e o cogumelo cantarelo (ou chanterelle) são fontes naturais de vitamina D2 (2, 8).

Alimentos ricos em vitamina D
Existem alguns alimentos enriquecidos com vitamina D que são indicados para veganos, pois tem origem 100% vegetal. Bons exemplos são o suco de laranja, os leites vegetais e a margarina. (Fonte: Freddy: m3oupu9otuy/ Unsplash.com)

Quanta vitamina D a pele é capaz de sintetizar quando exposta à luz solar?

Como descrevemos há pouco, a síntese da vitamina D na pele ocorre graças à ação da luz solar. Estimativas sugerem que a exposição do rosto, mãos e braços por 10 minutos, entre as 10 e as 16 horas, pode produzir pelo menos 5 mcg de vitamina D.

É importante lembrar que o uso de filtro solar, com fator de proteção acima de 8, reduz significativamente a produção de vitamina D na pele (1, 9).

Em pessoas mais velhas a capacidade de sintetizar vitamina D na pele pode ser reduzida. Com isso, o ideal é aumentar o tempo de exposição para 20 minutos por dia.

Não é necessário (nem recomendado) ficar sob o sol por muito tempo ou em horários perigosos, principalmente no verão. Essa prática pode aumentar o risco de câncer de pele (9).

Quando o suplemento de vitamina D é indicado?

Os suplementos de vitamina D podem ser encontrados em várias formas de apresentação: cápsulas, comprimidos para mastigar e gotas. Em geral, eles fornecem vitamina D3 (colecalciferol) em uma concentração entre 25 mcg e 50 mcg por dia.

A quantidade de vitamina D é expressa em Unidades Internacionais (UI) e 1 mcg é igual a 40 UI. Já quando se fala em indicação de uso, de maneira geral, a suplementação de vitamina D é recomendada para (10, 11):

  • Idosos acima de 65 anos;
  • Pessoas que não se expõem ao sol ou sempre fazem uso de protetor solar ou roupas que cubram totalmente o corpo. Este ponto inclui quem trabalha à noite e quem vive em regiões com menos incidência de sol;
  • Indivíduos que passaram por cirurgia bariátrica;
  • Pessoas com pele escura, já que a produção de vitamina D pela ação do sol é menor do que na pele branca;
  • Indivíduos com distúrbios de má absorção que afetam a assimilação da vitamina D pelo intestino. É o caso que quem sofre com a doença de Crohn, fibrose cística ou doença celíaca;
  • Pessoas com doenças renais, já que a vitamina D é “ativada” no rim e, nestes casos, pode não ser assimilada pelo organismo.

É recomendado consumir vitamina D lipossomal?

Quando há a necessidade de suplementação, a administração oral de vitamina D lipossomal é muito recomendada. Isso porque ela apresenta alta biodisponibilidade e aumenta a quantidade de vitamina que o organismo absorve.

Os lipossomas são pequenas cápsulas formadas por fosfolipídios que permitem o transporte da vitamina D e mantêm sua estabilidade até chegar ao intestino. Além disso, uma vez que a vitamina esteja ali, os lipossomas melhoram a assimilação do nutriente pelo organismo (12, 13).

Nosso suplemento de vitamina D lipossomal fornece 50 mcg (2.000 UI) de vitamina D3 em uma dose diária de 2 ml. Com sabor frutado, ele é extremamente agradável e pode ser misturado com água, batidas de frutas ou sucos naturais.

Além disso, é adequado para veganos e não contém glúten. Embora este suplemento não substitua uma dieta equilibrada, pode ser de grande ajuda para manter o equilíbrio nos níveis da vitamina D.

Conclusão

A vitamina D, também chamada de calciferol, tem duas formas ativas: vitamina D3 (colecalciferol) e vitamina D2 (ergocalciferol). Infelizmente, os alimentos ricos em vitamina D são poucos. Entre as melhores fontes estão alguns peixes, o fígado e o óleo de fígado de bacalhau, que fornecem colecalciferol (D3). Alguns cogumelos, como o shitake, são fontes de vitamina D2.

Como vimos, a exposição ao sol, o consumo de alimentos enriquecidos e um bom suplemento de vitamina D são aliados para atender às necessidades desse nutriente. Ao escolher a sua suplementação, considere a tecnologia inovadora da vitamina D lipossomal para potencializar a ação do nutriente em seu organismo.

Avaliando sua rotina, você acredita que precisa de mais alimentos ricos em vitamina D na dieta? Deixe-nos sua resposta nos comentários e ajude-nos a divulgar essas informações sobre saúde compartilhando este artigo com seus amigos. Muito obrigado!

References (13)

1. Gallagher M. Los nutrientes y su metabolismo. En: Mahan L, Escott-Stump S. Krause. Dietoterapia (Edición 12). 2008. Elsevier Masson.
Source

2. O’Mahony L et al. The Potential Role of Vitamin D Enhanced Foods in Improving Vitamin D Status. 2011.
Source

3. Schmid A, Walther B. Natural Vitamin D Content in Animal Products. 2013.
Source

4. Jakobsen J, Smith C, Bysted A, Cashman K. Vitamin D in Wild and Farmed Atlantic Salmon (Salmo Salar) - What Do We Know? 2019.
Source

5. Bendik I et al. Vitamin D: a critical and essential micronutrient for human health. 2014.
Source

6. Pludowski P et al. Vitamin D effects on musculoskeletal health, immunity, autoimmunity, cardiovascular disease, cancer, fertility, pregnancy, dementia and mortality — A review of recent evidence. 2013.
Source

7. Prietl B, Treiber G, Pieber T, Amrein K. Vitamin D and Immune Function. 2013.
Source

8. Pilz S et al. Rationale and Plan for Vitamin D Food Fortification: A Review and Guidance Paper. 2018.
Source

9. Valero Zanuy M, Hawkins Carranza F. Metabolismo, fuentes endógenas y exógenas de vitamina D. 2007.
Source

10. Kennel K, Drake M, Hurley D. Vitamin D Deficiency in Adults: When to Test and How to Treat. 2010.
Source

11. Spiro A, Buttriss J. Vitamin D: An overview of vitamin D status and intake in Europe. 2014.
Source

12. Keller B. Liposomes in nutrition. 2001.
Source

13. Bi Y et al. Liposomal Vitamin D3 as an Anti-aging Agent for the Skin. 2019.
Source

Livro
Gallagher M. Los nutrientes y su metabolismo. En: Mahan L, Escott-Stump S. Krause. Dietoterapia (Edición 12). 2008. Elsevier Masson.
Go to source
Artigo científico
O’Mahony L et al. The Potential Role of Vitamin D Enhanced Foods in Improving Vitamin D Status. 2011.
Go to source
Artigo científico
Schmid A, Walther B. Natural Vitamin D Content in Animal Products. 2013.
Go to source
Artigo científico
Jakobsen J, Smith C, Bysted A, Cashman K. Vitamin D in Wild and Farmed Atlantic Salmon (Salmo Salar) - What Do We Know? 2019.
Go to source
Artigo científico
Bendik I et al. Vitamin D: a critical and essential micronutrient for human health. 2014.
Go to source
Artigo científico
Pludowski P et al. Vitamin D effects on musculoskeletal health, immunity, autoimmunity, cardiovascular disease, cancer, fertility, pregnancy, dementia and mortality — A review of recent evidence. 2013.
Go to source
Artigo científico
Prietl B, Treiber G, Pieber T, Amrein K. Vitamin D and Immune Function. 2013.
Go to source
Artigo científico
Pilz S et al. Rationale and Plan for Vitamin D Food Fortification: A Review and Guidance Paper. 2018.
Go to source
Artigo científico
Valero Zanuy M, Hawkins Carranza F. Metabolismo, fuentes endógenas y exógenas de vitamina D. 2007.
Go to source
Artigo científico
Kennel K, Drake M, Hurley D. Vitamin D Deficiency in Adults: When to Test and How to Treat. 2010.
Go to source
Artigo científico
Spiro A, Buttriss J. Vitamin D: An overview of vitamin D status and intake in Europe. 2014.
Go to source
Artigo científico
Keller B. Liposomes in nutrition. 2001.
Go to source
Artigo científico
Bi Y et al. Liposomal Vitamin D3 as an Anti-aging Agent for the Skin. 2019.
Go to source